Total de visualizações de página

22 de out de 2010

VIVÊNCIA E SOBREVIVÊNCIA


Vivência e Sobrevivência

* Juarez Chagas

Graças a Deus e à sorte, termina bem o episódio dos mineiros chilenos confinados que, virou novela real, mas que não se pode esquecer foi causado e protagonizado pelo próprio homem. A mídia do mundo inteiro prioriza o assunto durante esses últimos dias, inclusive com disputas de “furos” de reportagens sensacionalistas entre a própria classe da comunicação. As empresas cinematográficas se preparam para transformar a realidade em ficção. As especulações preparam suas teias. Tudo isso era de se esperar.

Mas, pelo menos uma pergunta lógica deveria ser respondida com responsabilidade: Por que ocorreu a tragédia nas minas do deserto de Atacama? Poderia ter sido evitado ou foi real e simplesmente negligência, ganância e descaso com a segurança do trabalho?

Geograficamente, o deserto do Atacama está localizado na região norte do Chile, tem cerca de 200km de extensão e é considerado o mais alto e árido deserto do planeta e, por essa razão, existem poucas cidades e vilarejos na região, sendo San Pedro do Atacama, com aproximadamente 3 mil habitantes, uma das únicas que dá vida ao inóspito lugar.

A história deste deserto acha-se, ao longo do tempo, ligado às mais diversas situações de risco e tragédias, além de já ter sido palco para passeatas e greves contra fome, acidentes pelas precárias condições de trabalho e, consequentemente, mortes de mineiros massacrados e metralhados como resultado de repressão e injustiças sociais, trabalhistas e morais, contra essa categoria. Seu passado é negro e a promessa política para sua solução é parda.

Assim, mantêm-se quase sinônimo, no decorrer do tempo, de exploração, drama e morte, tornando esta região deserta um lugar quase proscrito, sendo sua terra vista por todos aqueles que dali dependem, como que regada por suor, sangue e lágrimas.

Entretanto, aí é que surge o paradoxo, pois apesar de árido e inóspito, o deserto do Atacama possui riquezas cujas dimensões poucos conseguem imaginar. São quantidades espantosas de minérios valiosos como ouro, prata, cobre lítio e enxofre mesclados com suas terras e camadas geológicas, tendo sido no passado este deserto um dos maiores produtores mundiais de salitre.

Em consequência disso, lugarejos e pequenas cidades surgiram do nada, atraindo salitre sintético que foi descoberto e manuseado de tal forma que o salitre natural perdeu seu posto e importância, fazendo com que, num pequeno espaço de uma década, as cidades outrora luminosas, transformaram-se em cidades fantasmas e sombrias, na verdade, vazias e cheias de cemitérios. Com estas cidades em busca de riqueza fácil e sobrevivência, vieram a inveja, intriga, sabotagem, descaso e morte.

Por outro lado, o lugar, mesmo pobre, estava predestinado a ostentar riquezas e então, descobriram a maior mina de cobre a céu aberto, em todo o mundo, riqueza esta, responsável por 8% do PIB do Chile.

Infelizmente, ocorreu um desabamento na mina de onde eles extraiam cobre e ouro, soterrando 33 mineiros, a 700 metros de profundidade. Isso aconteceu porque o principal acesso ao túnel ruiu. Só então, as autoridades chilenas iniciaram os socorros, monitorando 24 horas os mineiros. Especialistas em saúde, mineração, telecomunicações e segurança deram orientações, todos se mobilizaram e acompanham os trabalhadores até o final feliz.

No que diz respeito à especulação, falta de ética de algumas redes de comunicação jornalísticas, tanto tablóides quanto televisivas, o fato lembra o filme de Billy Wilder (Ace in the Hole, USA, 1951), onde o repórter Charles Tatum, vivido por Kirk Douglas armou toda uma situação para ficar famoso, especulando a possibilidade de prolongar a permanência de um mineiro preso numa mina, no Novo México. A propósito, já escrevi dois artigos sobre esse filme, os quais devem estar na internet, sendo que um deles com mais de 2 mil visitas acha-se disponível no http://pt.shvoong.com/humanities/1745709-montanha-dos-sete-abutres/

O resto da história sobre o resgate, todos sabem muito, pois os 69 dias em que os 33 mineiros ficaram embaixo da terra na Mina de San José, agora fazem parte da história, não só do país, mas do mundo, após um resgate fantástico, totalmente bem sucedido e, orgulhosamente e felizes, celebram a vida, como nunca fizeram antes.

O que poucos sabem, além dos próprios mineiros, é que durante esse tempo, alheios ao mundo fora da submersão da mina, esses homens aprenderam a conviver com a possibilidade da morte a qualquer momento. A experiência, na alma e na pele, de vivência e sobrevivência trouxe à tona o espírito de solidariedade do mundo todo, mas precisa também trazer à luz da razão que a índole humana precisa ser repensada e revista e não ficar soterrada nas profundezas do âmago da incompreensão.

*Professor do Centro de Biociência da UFRN

12 de out de 2010

TIRIRICA NELES?!



*Juarez Chagas



Lacan (1901 – 1981), o dileto e predileto discípulo de Freud, dizia que “tudo está nas entrelinhas”, tendo seu trabalho influenciado os intelectuais dos anos 60 e 70, principalmente os filósofos estruturalistas.

O trabalho freudiano de Lacan era interdisciplinar, porém pautado no inconsciente, complexo de castração, ego, identificação e a palavra como percepção subjetiva. Isso tudo causava grande impacto social e o tornava um dos principais revolucionários da psicanálise moderna.

Falei sobre a frase de Lacan porque me veio uma grosseira analogia, aproveitando a onda global sobre a eleição do Tiririca. A comparação poderia ser, analogamente, que tudo poderia estar entre o voto debochado, no sentido de que o eleitorado que votou no palhaço Tiririca apenas fez uma palhaçada com o sistema eleitoral, quem sabe, tendo o governo como mira. E assim, cada um que nele votou, se deleitava com essa sátira que, no fundo, nada mais era do que uma revolta pessoal contra o sistema.

Na verdade, o que se viu foi uma reação de protesto individual e coletivo contra a instituição política brasileira, onde parcela do povo indignado aproveitou para satirizar o político brasileiro, transformando Tiririca no novo herói nacional, campeão de voto popular, comprovando que, se o povo quiser, faz valer o 1º artigo da Constituição Brasileira, no qual diz que todo o poder emana do povo e para o povo e, de quebra, reforçando que humor e deboche são armas poderosas que podem ser acionadas quando tiverem chance de disparo livre. O alvo? Política, governo, sistema. O disparo fulminou todos ao mesmo tempo.

A propósito, já a partir da campanha do Tiririca, começou o engraçado e divertido deboche, admitamos. Em um das gravações na internet, a mesma que foi ao ar na TV durante a campanha, pra começar ele aparece na televisão com o rosto encoberto com as mãos, convidando o eleitor a uma brincadeirinha de adivinhação debochada: “adivinha quem tá falando? Duvido vocês adivinhá (finalmente tira as mãos do rosto) ah!ah!ah!!!! Sou eu o Tiriricaaaaa!!! Candidato a deputado federal! 2222, não esqueça. Peguei vocês!, Enganei vocês!, vocês pensô que fosse outra pessoa. Sou eu, o abestado. Vote 2222 ah!ah!ah!!!”.

Esta foi apenas uma das aparições e propaganda do Tiririca na televisão. Existiram outras, cujo deboche e comicidade garantiram boas risadas para muitos ou indignação para tantos outros. Seu lema: “vote em Tiririca, pior do que tá não fica!”, ou então "O que é que faz um deputado federal? Na realidade, eu não sei. Mas vote em mim que eu te conto". Outras aparições na TV, dançando, rebolando, debochando com músicas como “Florentina”, completaram o cenário. Resultado: Tiririca foi Eleito o Deputado Federal para São Paulo mais votado com mais de 1,3 milhão de votos. Ganhou disparado de Gabriel Chalita, que é professor, educador e escritor e, um dos mais votados, também em São Paulo.

Agora, a Justiça quer cassar sua eleição e representatividade por provável analfabetismo, o que seria uma desonra e vergonha como deputado federal para o congresso. Cabe a pergunta: comprovado seu analfabetismo, seria essa sua condição (talvez negada pelo próprio Estado aos iletrados) mais vergonhosa do que os mensalões, os cuecas-cofres e os fichas sujas?

É uma pergunta que só a Reforma Política que nunca chega, poderá responder, pois a vergonha nacional repousa em berço esplêndido no planalto, na câmara e na (in)justiça, quando políticos doutores e “notórios-saberes” mancham filosofia da política e enganam os simplórios como se fossem práticas normais.

Também num país como o nosso, onde os Big Brothers (já em seu 11º ano) da mídia, a guerra entre mocinhos e bandidos (RJ), a corrupção e outras mazelas causada pelo ser humano, são exemplos de ibopes, portanto, não haveríamos de estranhar mais nada.

Assim sendo, enquanto Tiririca tem dez dias pra aprender a escrever o nome e, justificar que não é analfabeto, e o Presidente Lula que também nunca foi afeito à leitura, levou oito pra escrever um capítulo da história do Brasil, vamos corroborar Jacques Lacan, com um pequeno adendo à sua frase: “tudo está nas entrelinhas, porque as linhas já transbordaram seus conteúdos há muito tempo e ninguém quis ver”.

* Professor do Centro de Biociência da UFRN (Juarez@cb.ufrn.br)