Total de visualizações de página

26 de nov de 2008

FERNÃO CAPELO GAIVOTA


Fernão Capelo Gaivota
(Publicado no O Jornal de Hoje)
*Juarez Chagas


Embora com conteúdos diferentes, costumo comparar os romances fantásticos O Pequeno Príncipe (romance de Antoine de Saint-Exupéry publicado em 1943, nos Estados Unidos) e Fernão Capelo Gaivota (Jonathan Livingston Seagull,1970, de Richard Bach) colocando-os no mesmo senso extraordinário da fantasia que nos remete às possibilidades da realização dos sonhos quase impossíveis do ser humano.

O Pequeno Príncipe ('Le Petit Prince, na França e O Principezinho em Portugal) é o livro francês mais vendido em todo o mundo, tendo tido cerca de 80 milhões de exemplares, e aproximadamente 400 a 500 edições publicadas, perdendo apenas para a Bíblia e O Peregrino, em termos de tradução literária, como uma das obras mais traduzidas em vários idiomas em todo o mundo. Com um histórico desses, até mesmo quem não gosta muito de ler se sente tentado a conhecer a obra de perto.

Mas, Fernão Capelo Gavoita é nosso assunto de hoje e sua trajetória não é menos interessante do que a do Pequeno Príncipe, muito embora não apresente a mesma estatística, tenha tido apenas aproximadamente a metade de edições publicadas e seja mais de 30 anos mais jovem. É uma fantástica história sobre liberdade, aprendizagem e amor narrada metaforicamente através de uma gaivota que não se contenta apenas em voar para comer restos de lixo ou peixes fáceis de encontrar. Voar para Fernão Capelo é um prazer e não apenas uma característica das aves e seu sonho é aprender tudo sobre o vôo por achar que as gaivotas são limitadas em seu mundo. Assim sendo, torna-se diferente do bando, é julgado, banido e expulso para viver sozinho entre a imensidão do azul do mar e do céu.

Richard Bach tem algo mais que em comum com Saint-Exupéry (cujo nome é bastante longo: Antoine-Jean-Baptiste-Marie-Roger Foscolombe de Saint-Exupéry, falecido aos 44 anos, em 1944), que era também piloto oficial e, teria voado sobre o atlântico do Brasil, inclusive passado por Natal, segundo historiadores da aviação. Bach também aviador, hoje com 63 anos, mas se diz um piloto sem grandes aspirações, tendo feito apenas três viagens internacionais. Esteve recentemente no Brasil, mas veio em vôo comercial. O próprio autor conta que Fernão Capelo surgiu em sua vida quando era ainda criança. Tinha o hábito de olhar o oceano e esconder-se do vento atrás de uma pedra para observar as gaivotas e sonhava ser como uma gaivota.

Ainda a exemplo do Pequeno Príncipe, Fernão Capelo Gaivota foi filmado, tendo tido muito sucesso e, poucas vezes, tenho visto um filme tão fiel ao livro. Tenho minhas restrições sobre filmes de bons livros, pois nem sempre o resultado é o que esperamos. Entretanto, no caso de Fernão Capelo, o filme não só é fiel ao livro, como sua fotografia é magnífica! Isso sem falar na trilha sonora de Neil Diamond, que também é uma obra-prima capaz de arrancar lágrimas dos mais durões dos homens, tipo Clint Eastwood.

No filme, na verdade uma parábola, tem também a questão política de grupos e comunidades, remetendo ao ser humano à castração, não somente do direito de liberdade, mas também ao confinamento de idéias revolucionárias, responsável pelas maiores descobertas do ser com base no acalento de sonhos e propósitos pessoais. A história é uma verdadeira lição de abnegação, obstinação e, inclusive, amor a si mesmo e ao próximo, metaforicamente ensinados através do mundo animal e da Natureza do ser e da espécie.

A clara e instigante analogia poética entre o homem e a gaivota mostra as dificuldades de superação dos limites da busca pela liberdade verdadeira, e, sobretudo do entendimento de ajuda ao próximo, através do amor e na compreensão do outro.
Agora em DVD, qualquer um pode conferir e se deleitar com a visionária realização cinematográfica de um conto que se eternizou através de sonhos e do imaginário pessoal e coletivo, mostrando aos humanos que o amor ainda continua acima busca, sendo o bem mais precioso que existe.

* Professor do Centro de Bioc iências da UFRN(juarez@cb.ufrn.br)

23 de nov de 2008

O HOMEM E O TEMPO

O Homem e o Tempo
(Publicado no Jornal de Hoje em 14/019/2005)
*Juarez Chagas


Talvez fosse mais apropriado inverter o título e dizer “O Tempo e o Homem”, por causa da ordem natural das coisas. Afinal, o tempo parece sempre ter existido, independentemente da vida ou da morte e quanto mais discutimos ou procuramos sentir o mesmo, admitimos ser a mãe Natureza detentora de seu infindável percurso, pois o tempo não tem nem começo, nem fim. E a nós humanos, nos é permitido apenas viver sua temporalidade.

Nós sabemos que dentre os medos que o ser humano habita em si, o tempo talvez se configure como o maior deles, muito embora não se tenha, nessa ótica, ainda atentado para tal, porque o mesmo parece latente, quando não hibernando em nosso interior. Medo este até mais presente do que o medo da própria morte, pois corremos o tempo todo contra ele mais do que da própria morte.

Esse medo poderia começar pela dificuldade que temos de conceituar o tempo, assim como a igual facilidade de sabermos ser seus eternos escravos, por estarmos definitivamente presos a uma temporalidade determinada periodicamente. As frases “Queria que o tempo parasse agora” ou “como gostaria de congelar o tempo como numa fotografia” ou ainda “gostaria que o mundo parasse”, falam muito mais do que seus próprios conteúdos, pois evidencia a impotência humana de poder prolongar momentos felizes ou encurtar momentos de angústia e sofrimento, frente ao dinamismo da vida que, a cada segundo se arrasta cada vez mais para sua finitude, sem que tenhamos certeza da realização ou conclusão de nossos sonhos e de nossas lutas.

E nesse sentido, o tempo é mais implacável do que a morte, pois parece estar tirando de nós as melhores coisas e os melhores momentos, a todo instante e, em contrapartida quando nos presenteia com elas, é tão efêmero que, mal começamos a viver essa felicidade, ela já está no fim. Quantas vezes por dia não ouvimos frases como “não deu tempo” ou “não tive tempo” ou ainda “parece que foi ontem...”. Na verdade, nós é que pertencemos ao tempo e não o contrário. Parece até que vivemos como inquilinos no espaço, aprisionados em períodos de vida. Mas, o que nos alenta é que nascemos para realizarmos e sermos felizes e não para cruzarmos os braços e apenas olharmos o tempo passar, doce, suave ou implacavelmente.

A associação do tempo com a morte não é apenas artística ou imaginária, como mostra um dos recentes quadros de Peter Jones (1984), no qual a morte em forma de esqueleto coberto com sua capa preta, montado em seu cavalo que voa os ares, empunhando em uma mão sua foice e na outra o relógio do tempo, em forma de bola de cristal. Quem já teve oportunidade de ver essa pintura, percebe de imediato essa íntima relação indissociável do tempo com a morte. A propósito deste quadro, é impressionante a constatação de seu significado para o imaginário humano, tanto individual quanto coletivo, pois o mesmo vendeu (só nos Estados Unidos) vinte mil réplicas em duas semanas. Às pressas, as pessoas arranjaram tempo pra sair correndo pra comprar algo que, muitas delas, nem sabia o porquê. Mas, a tela representa muito bem o mistério do tempo e da morte e talvez por isso tenha tido tanta repercussão e curiosidade.

Entretanto, a maior relação que o tempo tem é com o espaço. Na verdade, nem conseguimos imaginar quem surgiu primeiro, se foi o tempo ou o espaço. Mas, a coisa não fica por aí, pois do casamento do tempo com o espaço surge a velocidade, a qual hoje sabemos ser, expressa em quilômetros/hora, por causa da expansão do universo ter sido condicionada à uma imperfeita imagem de um cone cuja ponta representaria esse começo.
Hoje nós sabemos da vital importância da ciência sobre o começo no tempo em relação à visão do mundo. Mas, nem sempre foi assim. O homem primitivo foi descobrindo aos poucos sua noção de tempo. O dia e a noite, a lua e o sol, foram seus primeiros “relógios”, até que ele enterrou uma estaca no chão e passou a observar sua sombra circulando à medida que o tempo passava e o sol passeava nos céus. Então, ele começou a traçar riscos no chão, distanciando uma marca de sombra da outra, segundo o tempo que ele precisava marcar. Surgia o primeiro relógio, o relógio do sol. Claro, que na escuridão da noite, sem luz ele voltava a perder essa noção do tempo novamente.
Quando o homem então liberta seus braços e mãos, na tão importante chamada “braquiação” que o fez desenvolver e evoluir seu cérebro, segundo suas necessidades de uso das mãos, desenvolveu então o pensamento, as idéias, o raciocínio que substituíram grande parte dos instintos e assim, ele criou a ciência, sua mais importante aliada, da qual dependia sua sobrevivência (pois ele já não garantia mais sua sobrevivência apenas com os instintos que atendia, de uma forma inata, suas necessidades como sede, fome e sexo). Assim, passou a pensar e não somente percebeu, mas também enunciou que o tempo se confirma como linear com um eixo retilíneo, em torno do qual dispõem em espirais os diferentes ciclos da Natureza, tais quais os ciclos dos dias terrestres, dos meses lunares e dos anos solares. Estava inventado o calendário e uma nova forma de se viver se configurava temporariamente na face da terra.

Permito-me, numa ousada, embora modesta imaginação pessoal, discordar, especificamente nessa parte, do grande estudioso e cientista André Steiger que, em seu fabuloso livro Compreender a História da Vida: do átomo ao pensamento humano (PAULUS, 1998), no qual ele afirma que, “se o tempo teve começo, é provável que terá fim”. Mas, poderíamos nos perguntar: não existia tempo antes da vida na terra? Não existia o espaço, assim como o tempo no espaço? O próprio Steiger usa a palavra “se...”

Na verdade, quando falei sobre o medo do tempo, não é bem medo do próprio tempo e sim o que sua falta pode nos causar. O contrário, ou seja, tempo demais ou tempo sobrando, só é ruim e causa igual medo, quando se está sob tortura ou qualquer outro tipo de sofrimento. No mais, o tempo cura tudo e tudo resolve, já dizia minha avó. E assim, mais uma vez ficamos à mercê do tempo...

*Professor do Centro de Biociências da UFRN(Juarez@cb.ufrn.br)

21 de nov de 2008

EDUCAÇAO BÁSICA

* Juarez Chagas


A PARTIR DE HOJE, DISPONIBILIZO TAMBÉM ESTA PÁGINA NESTE BLOG PARA ENALTECER OU CRITICAR ALGUM ASSUNTO OU TEMA DE GRANDE IMPORTANCIA PARA NÓS EM NOSSO MEIO SÓCIOCULTURAL OU CIENTÍFICO.
COLABORAÇOES E SUGESTOES PESSOAIS SERÃO ACEITAS, AS QUAIS PODERÃO SER VALIDADAS COMO COMENTÁRIOS.

O PRIMEIRO COMENTÁRIO É SOBRE EDUCAÇAO BÁSICA, NUMA VISAO PESSOAL

NÃO QUERO FALAR DO DESCASO À EDUCAÇÃO E SUAS DIFICULDADES. ISSO JÁ TEM SIDO FEITO EXAUSTIVAMENTE.
NÃO QUERO FALAR DA ATUAÇAO DE NOSSOS GESTORES E ADMINISTRADORES OU DO GOVERNO EM RELAÇÃO AO ENSINO PÚBLICO OU DA GANÂNCIA DE MUITAS INSTITUIÇÕES EDUCACIONAIS PRIVADAS.
QUERO FALAR DA IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO E, PRINCIPALMENTE, DA EDUCAÇÃO BÁSICA E SEUS GRANDES HERÓIS E HEROÍNAS: NOSSAS PROFESSORAS E NOSSOS PROFESSORES ! QUE A PESAR DE TUDO, SE DOAM A CADA DIA POR UMA DAS CAUSAS MAIS NOBRES DA HUMANIDADE: EDUCAR E ENSINAR ATRAVÉS DA DOAÇAO PESSOAL NA FORMAÇAO DO SUJEITO USANDO SABERES E MUITO AMOR!

APROVEITO PARA HOMENAGEAR AS SEGUINTES MAGNÍFICAS MULHERES EDUCADORAS QUE, NUM TEMPO PASSADO CONTINUAM FAZENDO PARTE DO MEU PRESENTE PELO QUE DELAS RECEBI: MARIA EULÁLIA DA COSTA, LÚCIA MARIA DA COSTA BEZERRA, ESTER DE SOUSA GALVAO E EZILDA ELITA DO NASCIMENTO, TODAS ELAS MINHAS INESQUECÍVEIS PROFESSORAS DO PRIMÁRIO, NO SAUDOSO GINÁSIO “7 DE SETEMBRO” HÁ MAIS DE 40 ANOS ATRÁS, A QUEM DEVO MUITO PELA MINHA FORMAÇAO BÁSICA.
* Professor do Centro de Biociências da UFRN (juarez@cb.ufrn.br)

16 de nov de 2008

O OLHAR DA CRIANÇA SOBRE A MORTE (II)

O Olhar da Criança Sobre a Morte (II)

*Juarez Chagas


Falar sobre o desenvolvimento da criança nem parece simples, nem tão pouco o é. Entretanto, aprofundamento da discussão é necessário para o entendimento de muitas questões, tanto do ponto de vista biológico quanto psicológico, concomitantemente.

Fazendo aqui um parêntese, sem evidentemente a preocupação de estabelecer paradigmas, mas constatar que é por isso que prevaleceu o consenso acadêmico em quase todo o mundo concordou que a Psicologia deveria realmente ser uma das fortes áreas da saúde (muito embora algumas Universidades ainda insistam em manter a Psicologia apenas na área humanística). E não é apenas pelo fato da saúde mental e psíquica em si, mas também por ser parte da saúde do sujeito como um todo. E, ao falarmos de sujeito, não há como entendermos o sujeito isoladamente, pois antes de qualquer outro entendimento o sujeito é biológico, ele nasce biológico. Portanto, seu desenvolvimento biopissicossocial deve ser indissociável, e sua biologia entendida antes de qualquer outro conteúdo.

Fiz esse parêntese, apenas para chamar a atenção sobre a importância da questão da formação do sujeito, enquanto desenvolvimento humano. Hoje sabemos que temos um corpo físico e um corpo psíquico, que é por sua vez mental e subjetivo. Ambos são indissociáveis, evidentemente. Mas, o conhecimento da Biologia do indivíduo é também importantíssimo e imprescindível, principalmente para quem atende a criança como paciente que, por força da necessidade, acaba atendendo os pais ou cuidadores dessa criança conseqüentemente, para poder se chegar ao diagnóstico correto ou o mais próximo da realidade, enquanto as pesquisas continuam em direção do diagnóstico definitvo.

Em relação a outros animais, o bebê humano é prematuro no que diz respeito aos seus sistemas vitais, pois quando a criança nasce seu sistema neurológico e perceptivo ainda não completaram suas devidas formações. Portanto, estamos, nessa fase, diante de alguém que ainda não se reconhece como sujeito, embora, nós adultos, o tratemos como tal.

Os estudiosos sobre o desenvolvimento da criança, assim como os tanatólogos afirmam que a criança de até três anos não consegue perceber a morte com clareza definitiva nem acha que ela seja irreversível, porém entende quando seu bichinho de estimação não mais brincará consigo ou acaba aceitando quando seu avô ou avó ou sua mãe não a levará mais para a escola, como de costume. É interessante notar também que antes dos três anos, é comum a criança tornar “vivos” objetos inanimados de tal forma que passa a dialogar com os mesmos, mas depois dessa idade passa a se preocupar com a origem dos seres vivos, inclusive a sua própria, muitas vezes perguntando a mãe de onde nasceu.

Na verdade, a perda passa a ser sentida como algo ruim ou angustiante a partir dos sete anos. Entretanto, é a partir dos 12 anos que todo o processo do fenômeno da morte passa a ser entendido pela criança. Há de se considerar aí, o fator individual de cada um, assim como questões culturais e religiosas. Não é, portanto, uma regra determinante, porém a constatação do que normalmente ocorre.

E o que dizer da criança que vive cotidianamente ao lado da morte ou acometida pela certeza de que pode morrer a qualquer momento? Que olhar ela tem sobre a morte e sobre a própria vida? São, certamente, perguntas reflexivas.

A questão do câncer infantil desencadeia um drama iniciado com seu diagnóstico, o qual deflagra várias situações de conflitos, reações e emoções na própria criança, assim como na sua família e no seu meio social, normalmente representado pela escola. Surge a angústia com a perda da saúde, seguida de depressão, medo de morrer e estado de confusão mental de vários tipos e características. Nesse ponto, o tratamento médico é invasivo, causando dor e ansiedade, ao paciente, pais ou cuidadores. É uma situação difícil e complicada em todos os sentidos.

Lembro muito bem da angústia que vivi durante meu estágio de Psicologia Clínica na Casa de Apoio a Criança com Câncer, em Natal (Foto na sala de atendimento), onde não atendia às crianças diretamente, e sim aos pais dessas crianças (também alguns adolescentes) que viviam o dilema da terminalidade de seus filhos como uma certeza dilacerante. Ali nada ensinei, só aprendi através da questão da morte como essas crianças e seus pais vencem a morte e seus conflitos cada dia. Não tive como não deixar de agradecer-lhes profundamente (e estou consciente que isso não é nada, apenas confortante e importante para mim), não só em minha monografia, mas por tão nobre oportunidade de ter aprendido com eles essas lições que carrego comigo por toda a vida. Às vezes, dias e noites, eu revia os casos clínicos, confrontava com bibliografias, outras experiências vividas em outras instituições e, na solidão dessa realidade, não conseguia concluir nada, a não ser que precisamos ser mais humanos e mais compreensíveis cada vez mais com o próximo, principalmente quando ele está distante e pode nao mais voltar.

Com esse compartilhamento, vendo crianças oncológicas brincarem e sorrirem, tentando levar uma vida normal, como se nao lhes permitissem a morte invadir seu mundo lúdico e infantil, pude aprender que o olhar da criança sobre a morte, não é um olhar sobre a finitude, mas essencialmente um olhar sobre a vida!

* Professor do Centro de Biociências da UFRN(juarez@cb.ufrn.br)

14 de nov de 2008

O OLHAR DA CRIANÇA SOBRE A MORTE (I)


O Olhar da Criança Sobre a Morte (I)

*Juarez Chagas



O que dizer a respeito do olhar da criança sobre a morte numa sociedade onde o próprio adulto refuta a questão e evita buscar um melhor entendimento sobre a finitude humana? Se o medo da morte não é uma questão hereditária, pelo menos é passado, de certa forma velada, de geração a geração na sociedade ocidental. Essa seria uma consideração preliminar no que diz respeito ao tabu da morte e que resulta num comportamento, digamos de “autoproteção”, através dos tempos, mas que também, uma vez exacerbado, pode causar determinados transtornos mentais e comportamentos indesejáveis por parte de pessoas que passar a ver e sentir esse medo como uma perseguição subjetiva.

Para discutirmos sobre essa questão, faz-se necessária antes uma cronologia sobre o olhar da sociedade sobre a criança, ao logo da história da humanidade. Antes do Século XVIII até meados do Século XIX, na Europa, assim como na América do Norte, a criança não era valorizada e era tida como um pequeno ser sem personalidade. Essa idéia errônea era tão forte que ao morrer, muitas vezes nem tinha um nome ou, por outro lado, seu nome seria dado à outra criança, como se houvesse apenas uma substituição. Desta forma, na Idade Média, mesmo com as reservas às quais a criança era imposta, ela era tida como um “adulto pequeno”, portanto eram pequenas todas as suas atribuições, pensamentos e importância que tinha com seus lugares na família e na sociedade.

Acontece que a partir da segunda metade do Século XIX surge um diferente comportamento tendo à frente as mulheres e o clero, onde as crianças mortas continuavam sendo imaginadas vivas e habitando o além, na “Terra sem Mal”, onde eram idealizadas como anjos ou pequenos santos, formando aí um imaginário individual e coletivo e ilusório, mas que preenchia um desejo e vínculo com a criança que partira.

Mas, para contrapor o comportamento que normalmente se tinha sobre a criança nessa mesma época, a burguesia, para a qual a morte da criança era a menos tolerável de todas, passou a perpetuar suas formas idealizadas através de estátuas e representações alegóricas. Chegando à sociedade atual, nos deparamos com a clara negação da temática morte, com a atenuante de ser uma sociedade capitalista na qual a morte sofre uma mudança radical com tratamento logístico e tecnológico, além da questão da ciência (diferentemente da religião) combater a morte até onde for possível, ao invés de primeiro primar por seu entendimento e aceitá-la como desenvolvimento humano.

Em seu livro A Psicologia da Morte, Robert Kastenbaum (448 pags, Editora Universidade de São Paulo, 1983) faz a seguinte colocação: “A criança procura ativamente experiências de ir-e-vir, aparecer-e-desaparecer. Mais tarde (ainda na infância), ela é capaz de permanecer um pouco desligada do que observa. Percebe a morte e os atributos da morte na situação. Mais tarde ainda (talvez depois da primeira infância), desenvolve os tipos de estruturas cognitivas às quais comumente se aplica o termo concepções”.

Observando o fantástico mundo lúdico da criança e, em cima do que Kastenbaum diz, podemos perceber que ela faz de certas brincadeiras “experimentos” com a morte, fazendo com que lidem, mesmo nessa fase da vida, com a questão da morte muito melhor do que o adulto que, na fase adulta, substitui essa relação pelo medo. As brincadeiras de aparecer-e-desaparecer (muito comuns na Inglaterra e em outros países europeus), são vistas como pequenos experimentos realizados pelas crianças frente à morte ou frente ao não-ser. O brincar de esconde-esconde (hide and seek), morto-vivo ou mocinho-e-bandido (muito comuns no Brasil) refletem elaborações de concepção de morte, pela criança. É importante observar que nestas brincadeiras ela sempre vence a morte.

Mas...qual o olhar ou quais os olhares da criança sobre a morte? Seguramente, não é esse que o adulto mostra ou evita-lhe ensinar. O tema é vasto e para uma melhor discussão sugiro meu primeiro artigo publicado no O Jornal de Hoje (em 10/11/2004), intitulado “Quantas Vezes Morrermos Antes de Thanatos Chegar?”, o qual encontra-se neste blog. É só rolar as páginas para encontrá-lo.

* Professor do Centro de Biociências da UFRN(juarez@cb.ufrn.br)

6 de nov de 2008

A CONQUISTA DA DOR (II)

A Conquista da Dor(II)
*Juarez Chagas

Como parar uma sensação de incômodo doloroso e sofrimento físico? E se essa dor for psíquica, subjetiva, interior, mental cuja causa não seja orgânica, mas que por outro lado, além de machucar e torturar, também dilacere o soma? A resposta que o homem deu a si mesmo foi simples, mas demorou muito para ser formulada: “diante da incapacidade de controlar a dor, consigo inventar algo para bloqueá-la e que a torne indolor para mim, nem que para isso eu tenha que me tornar insensível!” Foi mais ou menos com esse pensamento que o homem inventou a anestesia.

Porém, são ricos os registros evidenciando que as civilizações antigas já conheciam fórmulas para driblar a dor e aplacar o sofrimento das pessoas. A Grécia Antiga utilizava a esponja soporífera embebida em substâncias sedativas e analgésicas extraídas de plantas; os chineses lançavam mão de sua milenar acupuntura; os incas da América do Sul aplicavam uma espécie de anestesia tópica, através do sumo da mastigação da folha de coca; os egípcios tinham seus milagrosos bálsamos e os assírios comprimiam a carótida, para impedir que o fluxo sanguíneo chegasse ao cérebro, tornando assim, a dor algo secundário. Gelo ou neve também eram utilizados para congelar a região a ser operada, assim como embriagar o paciente com porre de vinho ou aguardente ou usar a hipnose foram outros recursos utilizados para aliviar a dor, antigamente.

Por outro lado, questões culturais e religiosas tiveram influências preponderantes sobre a questão da dor, pois até durante a Idade Média, doença, dor e sofrimento eram vistos como castigos aos impuros. Ainda nessa época, nas sociedades cristãs européias o controle da dor através de ervas e compostos químicos era tido como bruxaria e, portanto, passíveis de punição pela Santa Inquisição, a quem fosse pego tentando aplacar a dor, publicamente. Assim sendo, não é de se estranhar que a dor tenha sido até hoje tida como um castigo divino e a frase “a dor purifica o espírito” nos remete à essa questão, assim como o controle da dor pelos fortes, é uma questão honrosa, pois só os fracos reclamam, diz a tradição.

Mas, como vimos no artigo anterior, foi somente por volta do meados do século XVIII, que finalmente o homem vence (parcialmente) a dor. Os meios de divulgação e instituições interessadas da época viram que era importante estabelecer uma data oficial para a descoberta da anestesia, apesar de discussões e controvérsias sobre o verdadeiro mérito e seu verdadeiro inventor. Na realidade, conta a história que alguns interesses acadêmicos e empresariais postularam Crawford Williamson Long como sendo o primeiro médico a operar sem dor, quatro anos e meio antes de Morton que, por sua vez é tido como o verdadeiro descobridor da anestesia, pelo que se aceita até hoje (vê artigo anterior).

Discussões acadêmicas à parte, pois este é apenas um episódio devidamente esclarecido, o importante é que a dor nunca foi totalmente controlada. E esse fato tem seu lado positivo, pois assim como o medo, a dor também tem seu lado útil como um sistema de alerta, especialmente no que diz respeito à sensibilidade exteroceptiva, ajustando o indivíduo no seu meio ambiente, quando algo pode comprometer o organismo, através de agressões químicas, físicas ou biológicas que chegam através da pele que é o maior órgão do corpo humano, chegando a medir 2 m2 e pesar 4 Kg no adulto. Constitui-se num manto contínuo que envolve todo o corpo com sua especial capacidade e sede do órgão dos sentidos. Imaginem, portanto, a quantidade de receptores espalhados por toda a pele, para conduzirem através dos nervos espinhais as sensações para a medula espinhal para a partir daí, através dos tractos córticos-espinhais, conduzirem ao cérebros as informaçoes das sensações tanto de dor, quanto de prazer. O tálamo pode ser considerado uma das principais estações-sedes onde estes estímulos vão se alojar, sendo posteriormente identificados a níveis córticais. É mais ou menos assim, que percebemos a dor, prazer e estímulos táteis de um modo geral. Porém...não quando esta é "criada" mental e psíquicamente. Mas, aí é outra história a qual requer mais explicaçoes e entendimentos do ponto de vista neurofisiológico.

Eliminar totalmente a dor do ser humano seria como deixá-lo sem condições de perceber somaticamente o que se passa ao seu redor. Uma dor de cabeça, por exemplo, é um aviso de que algo errado está acontecendo a nível do coro cabeludo, crânio ou encéfalo, ou por outro lado, pode sugerir uma dor de fundo nervoso ou psíquico. Mas, por outro lado, uma unha encravada também pode resultar numa dor de cabeça, pela sua intermitência angustiante. Portanto, a dor não faz apenas sofrer, tem sua importância mesmo sendo vista como um incômodo dilacerante.

Na verdade, existem algumas situações orgânicas, nas quais há ausência de dor, porém em virtude de alguma patologia, como é o caso da analgesia congênita, que impossibilita a sensação de dor, assim também como outras doenças capazes de destruir as terminações nervosas da pele, tornando o indivíduo inteiramente insensível a dores tópicas e localizadas. Em crianças, esse tipo de doença torna-se mais grave ainda, pois elas podem se machucar sem notar, causando uma desatenção aos perigos de mutilações.

Sabemos que todas as dores envolvem componentes emocionais e sensoriais, sendo, ao mesmo tempo físicas e mentais, como o que pode ocorrer em síndrome do pânico, ansiedades e depressões. Essas, por sua vez requerem cuidados especiais, pois o conhecimento das mesmas e de sua etiologia podem ajudar o paciente a combatê-las com mais propriedade. Afinal, não adianta acabar com a dor ou sintomas em si, e sim com sua causa.

Muitas vezes o tratamento não é cirúrgico nem medicamentoso e sim, quando de fundo psíquico, apenas “extraindo-se” o problema de si e substituindo-o por resoluções pertinentes às causas desta dor específica. Afinal, essa seria, mesmo que parcialmente, uma grande conquista!

* Professor do Centro de Biociências da UFRN(juarez@cb.ufrn.br)